O homem na forma-prisão

pne1

O homem superior, do 3º nível, é um ser que procura a libertação da forma-prisão.

Entramos em nosso mundo pela porta do prazer, para sermos condenados a uma vida de ilusões e dores, dominados ao mesmo tempo por uma imensa fome de felicidade.

O homem procura, usando qualquer meio e vai ao encontro dela furtando-a, violando a Lei de Deus. Mas, quanto mais alegria ele acredita encontrar, tanto mais se afunda na insatisfação e sofrimento. Isto parece um jogo cruel e traidor, mas corresponde à lógica e justiça.

Continuar lendo “O homem na forma-prisão”

O aperfeiçoamento moral

pne1

Como se desenvolve, dentro da amplitude que o eu abrange, essa luta entre planos evolutivos diferentes?

O homem do nível inferior é um primitivo sem conhecimento, sem saber o que faz, porque é dirigido por alguns elementares instintos animalescos, aos quais ele obedece cegamente.

Em nosso mundo ele constitui as raças inferiores, as camadas mais baixas da sociedade, mais do que economicamente, baixas intelectual e moralmente, de modo que tal tipo de involuído se pode encontrar também no meio dos ricos e seletos da nossa sociedade. Mas qualquer que seja sua posição exterior, tal biótipo fica sempre na lama que é o seu ambiente natural, do qual gosta, sem desejo de sair dele.

Continuar lendo “O aperfeiçoamento moral”

Prever o destino

pne1

O nosso objetivo é o de chegar a estabelecer um método que nos ensine como conhecer o destino particular de cada um e prever o seu desenvolvimento.

O nosso mundo procura soluções isoladas, mas problema nenhum é solúvel isoladamente, num universo onde tudo é ligado e comunicante, regido por uma só lei, fundamentalmente unitária.

Na prática os três níveis não se apresentam como três compartimentos estanques, absolutamente separados um do outro, mas como três fases sucessivas e contíguas do mesmo processo evolutivo, que todos estão percorrendo.

Continuar lendo “Prever o destino”

A Técnica das revoluções no processo evolutivo

ddi

Quando os ideais descem à Terra, eles são transplantados para um plano biológico mais baixo. Observemos então as reações que eles têm de suportar, as transformações e adaptações a que devem ser submetidos, para poder sobreviver no nível evolutivo inferior do mundo, e o uso que faz deles a vida em tais condições, a fim de poder utilizá-los para os seus fins.

Por um lado, o ideal impõe justiça, honestidade, sinceridade, altruísmo, bondade etc. Por outro lado, a vida se baseia sobre um princípio bem diverso, baseado na luta pelo triunfo do mais forte, onde vale aquele que vence por qualquer meio, mesmo contradizendo totalmente o ideal e ainda que seja injusto, desonesto, falso, egoísta, malvado etc.

Se esta é a lei do animal humano, que predomina na Terra, então a descida do ideal, quando é vista de baixo, pode parecer um assalto à integridade da vida, pelo menos do modo como ela é entendida e quer se realizar neste plano biológico.

Como se conduz ela, então, em sua própria defesa, para permanecer no seu nível?

Continuar lendo “A Técnica das revoluções no processo evolutivo”

Três tipos de destino

pne1

 

Temos três tipos fundamentais de destino:

O de quem vive no 1.º nível, o desenvolvimento da vida é simples, dirigido por poucos impulsos fundamentais, dos quais é fácil prever os efeitos. O indivíduo possui poucas ideias e com elas resolve os seus poucos problemas. Eles são os da fome e os do amor. Quando o ser tem saciados os desejos do estômago e do sexo, fica satisfeito porque cumpriu todas as funções que a vida lhe pede: assegurar a conservação individual e a da espécie. Com isso a sua tarefa biológica se esgota. Para além disto, que é todo o mundo seu, nada sabe, nem procura.

A lei desse nível biológico não vai além desses estreitos limites, onde para o indivíduo, o impulso de crescimento poderá manifestar-se no desejo de satisfazer sempre mais os seus impulsos fundamentais, do estômago e do sexo, isto é, não trabalhar, engordar, gozar, ter mulheres e filhos, mas sem sair de tal tipo de experiências.

Continuar lendo “Três tipos de destino”

Destinos

pne1

Cada um traz ao nascer o seu tipo de destino conforme as qualidades, que construiu em vidas passadas, qualidades das quais dependem os impulsos que nos movimentarão em nossa vida atual, dos quais deriva o tipo de conduta e, por isso, de nossa existência.

A vida atual não é senão um trecho a mais que se junta a um imenso caminho percorrido no passado.

O desenvolvimento de um destino não representa senão a realização atual do que já estava potencialmente contido na personalidade ao nascer. Eis que é possível conhecer qual será o tipo de destino, quando conhecemos o tipo de personalidade.

Continuar lendo “Destinos”

Escala Evolutiva

pne1

O homem atual subiu há pouco do andar inferior da animalidade ao médio da consciência racional, e neste vai aprendendo a morar.

A lembrança, a forma mental, os hábitos de inquilino do andar inferior estão ainda vivos nele, sempre prontos a voltar. Mas agora ele vive próximo ao terceiro andar, o do superconsciente, e essa vizinhança já lhe permite perceber alguma coisa do que acontece nesse andar superior.

Daí descem as revelações das religiões, que o iluminam e estabelecem qual deve ser a sua conduta; descem indivíduos com a missão de mostrar, com a palavra e o exemplo qual é o caminho para subir até esse andar.

Continuar lendo “Escala Evolutiva”

Planos evolutivos

pne1

No ambiente terrestre se encontram misturados os três biótipos que vimos, vivendo cada um no seu nível, o do subconsciente, o do consciente ou o do superconsciente. Cada um desses biótipos reage contra o outro conforme sua natureza. Cada um entende, julga e age conforme sua forma mental. Trata-se de três tipos e níveis de sensibilidade e compreensão: a sensória, a racional, a espiritual.

O homem do subconsciente está completamente escravo dos seus impulsos instintivos, sem controle.

O homem do consciente é dono dos seus instintos, que ele controla com a razão, da qual é escravo, porque não possui outro meio com que se dirigir, com ele pesquisando no desconhecido.

O homem do superconsciente é dono dos instintos e da razão, que domina e controla, orientado pelo seu conhecimento.

Continuar lendo “Planos evolutivos”

O espírito franciscano

pne1

Estamos no nível do egoísmo e da luta, de todos contra todos, cada um querendo dominar. A guerra é o estado normal, a família é um castelo armado contra as outras famílias, naturalmente rivais e inimigas, que é preciso vencer para não se ser vencido.

O grupo familiar fica, desta forma, unido pelo seu egoísmo, que neste plano representa a base da vida. Constroem-se, assim, e ficam unidos os grupos nacionais, em que os povos se unem para se armar contra outros povos.

Esse é o estado atual da nossa humanidade, que só chegou a organizar, racionalmente, no nível do consciente os instintos fundamentais, que movimentam o ser no nível do subconsciente.

Continuar lendo “O espírito franciscano”

Os três Biótipos Terrestres (2)

pne1

No ambiente terrestre se encontram misturados os três biótipos, vivendo cada um no seu nível, o do subconsciente, o do consciente ou o do superconsciente. Cada um desses biótipos reage contra o outro conforme sua natureza. Cada um entende, julga e age conforme sua forma mental.

Trata-se de três tipos e níveis de sensibilidade e compreensão: a sensória, a racional, a espiritual.

Continuar lendo “Os três Biótipos Terrestres (2)”