Experimenta menino…

ld

Seria absurdo pensar que nossa palavra pudesse ter o poder de transformar o mundo. Isto concerne apenas a Deus, pois só Ele possuí e pode usar os adequados meios apocalípticos para tanto. Nós podemos apenas explicar como tudo isso funciona e porque vemos sucederem tantos desastres no mundo.

A tarefa de corrigir o erro pertence à dor, que por isso mesmo existe e disso esta encarregada.

Para amadurecer os involuídos são necessários choques proporcionados à sua ignorância e insensibilidade. Para os surdos ouvirem é preciso mais que pregações; há necessidade de uma voz que por si mesma se deixe claramente entender por todos: é indispensável sofrer para aprender.

Continuar lendo “Experimenta menino…”

A lei de talião

ld

Estamos vendo como os princípios da Lei repercutem em todos os aspectos da vida.

A exatidão da sua justiça se expressa pela lei de talião, porque a reação corretiva corresponde exatamente a natureza e proporções da culpa.

O resultado, apesar de a criatura ficar livre, é obedecer. Isto, porque sair da Lei constitui o maior erro, o que equivale ao maior sofrimento. Assim, tudo o que está dentro da Lei é bom, belo, agradável, enquanto o que está fora dela é mau, feio, doloroso. Assim a desobediência é suicídio, é autocondenação e autopunição, que o rebelde executa com suas próprias mãos contra si mesmo.

Continuar lendo “A lei de talião”

A lição da Vida

ld

A lição que a Lei de Deus nos quer ensinar, infligindo-nos dor com a sua reação, é a do caminho certo e a da justa medida.

A Lei não quer o nosso sofrimento, mas somos nós que o produzimos, violando a sua ordem.

Qualquer que seja o nosso desejo e revolta, não podemos deixar de viver dentro dessa ordem. Mesmo a ciência positiva nos demonstra, cada dia mais, que vivemos cercados de leis por todos os lados.

Continuar lendo “A lição da Vida”

Origem e função dos instintos (2)

ld

Da falta do indispensável nasceu o instinto sadio da previdência, mas o excesso desta gerou a cobiça de possuir, produziu a avidez de apoderar-se de tudo para acumular recursos, criou o instinto da avareza que espolia o próximo com o excessivo apego às coisas.

Explica-se, assim, como da necessidade da defesa nasceu, para os fracos, a arte do engano, cujo excesso gerou o instinto da mentira, a qual não permite discernir a verdade do fingimento.

Isso criou um ambiente de traição insuportável para todos, e a necessidade de ser honesto e sincero para corrigi-lo.

Continuar lendo “Origem e função dos instintos (2)”

Origem e função dos instintos (1)

ld

Explicamos como a evolução nos leva sempre mais para o estado orgânico. Da desordem, resultado de um individualismo separatista, nos conduz à ordem, situação final ao nos harmonizarmos com a Lei. Quanto mais evoluímos, tanto mais a Lei nos disciplina, irmanando-nos e conduzindo-nos à unificação.

A vida oferece lições proporcionadas ao plano de existência em que o ser se encontra, de acordo com suas vicissitudes. Todavia, o homem tem de apreender outros instintos que não sejam os de agressividade, de engano, de orgulho, de cobiça, de sensualidade que, se foram úteis num estado de desordem geral, não o são num mundo organizado.

Estas são as posições do passado, não as do futuro.

A evolução é uma força viva, presente dentro de nós, fazendo pressão, constrangendo-nos à subida de modo premente.

Continuar lendo “Origem e função dos instintos (1)”

A Lei no mundo

ld

Explicamos que a Lei esta acima das religiões e filosofias particulares, as quais abrangem porque é lei universal da vida, da qual ninguém pode fugir, – porque ninguém pode fugir da vida e das suas leis, que está sempre presente no funcionamento orgânico do universo, porque não há coisa alguma que esteja distante do pensamento de Deus.

É maravilhoso observar como o pensamento e a vontade de Deus nos cercam de todos os lados, sempre nos guiando e impulsionando para o caminho certo, a nós e a todos os seres do universo.

Nós podemos oscilar livremente de um polo para outro, do bem para o mal, da luz para as trevas; podemos deslocar-nos para qualquer posição da vida, mas ficaremos sempre dentro do Pensamento e da Vontade de Deus, isto é, dentro da Lei, que é qual atmosfera em que vive tudo o que existe no universo e da qual ninguém pode sair.

Continuar lendo “A Lei no mundo”

Busca da Felicidade

ld

Como a Lei nos faz atingir a abençoada posição dos bem-aventurados do Sermão da Montanha, relatado no Evangelho?

A Lei exprime o pensamento e a vontade de Deus e constitui a regra fundamental da nossa conduta. Nossa tarefa foi só a de demonstrar que a Lei está presente e funciona de verdade, trazendo consigo sérias consequências práticas as quais não se pode fugir, sejam de utilidade ou de prejuízo.

Agora podemos claramente entender as razões pelas quais nos convém seguir o caminho da honestidade, e quão louco é o mundo que provoca o seu próprio prejuízo, seguindo o caminho oposto.

Quem compreendeu tudo isso, torna-se muito mais responsável pelas consequências dos seus atos, porque agora sabe que, quando chegar a reação da Lei em forma de dor, é porque nele mesma está a causa, e essa dor foi ele quem a semeou com seus erros. Então só lhe resta resignar-se e iniciar o trabalho de autocorreção.

Continuar lendo “Busca da Felicidade”

A escola da Vida

ld

Já sabemos que Deus é o ponto final das nossas vidas. Sabemos o caminho para atingir esse ponto final: a evolução, ou seja, a subida para Deus. Sabemos que para isso vivemos e que a evolução se realiza da matéria para o espírito, sendo nós próprios os construtores desse caminho. Sabemos que as normas de conduta que se encontram vigorando na Terra, ditadas pela moral e pelas religiões, representam as regras necessárias para executar esse trabalho de subida e construção.

 Podemos agora chegar a compreender quão grande é o valor dessas regras, pelo fato de que elas cumprem a tarefa de nos ensinar o método para corrigir nosso anterior caminho errado, mostrando-nos o certo, impedindo-nos de semear novos sofrimentos para o futuro e permitindo-nos assim, anular a dor que surge ou poderá surgir em nosso destino. Temos falado de fatalidade do destino. Veremos aqui como ele está em nossas mãos e como temos a possibilidade de endireitá-lo e dirigi-lo para onde quisermos. Se adotamos um bom comportamento e se não cometemos mais erros violando a Lei, vemos que está ao nosso alcance criar para nós destinos sempre menos duros, porque estarão menos carregados de erros a corrigir e culpas a expiar.

Continuar lendo “A escola da Vida”

O Funcionamento da Lei

ld

A loucura dos astutos e a invencibilidade da Lei.

“Os que têm fome e sede de justiça serão fartos”.

A sabedoria e perfeição da Lei manifestam-se também na capacidade de recuperação, a qual deixa o ser livre para experimentar as consequências do mal e lhe permite desse modo, adquirir uma sabedoria sempre maior e assim reconstruir o que ele na sua ignorância  destruiu. Essa Lei é universal e tem de estar presente, funcionando em todos os pontos do universo, tanto mais quanto este, na sua evolução, já chegou aos níveis da vida, da inteligência e do espírito.

O conhecimento do funcionamento da Lei nos oferece, não somente a chave para compreender o jogo complexo de nossa vida, mas, seguindo a lógica da mesma Lei, oferece ainda o meio de prever aquilo que, como efeito do passado, nos esta esperando e nos permite corrigir o que estiver errado, ajudando-nos a voltar para o caminho certo, avançando, assim, sempre mais bem orientados. Em outras palavras: não há evolução de pensamento que possa admitir que alguém deixe de pagar todo o mal por ele praticado.

Continuar lendo “O Funcionamento da Lei”