Os movimentos da vida

ddi

Os movimentos da vida se realizam acompanhados pela balança da justiça.

Eis a razão do aburguesamento. Ele representa um melhoramento, constituindo a compensação imediata com a qual a vida atraiu e induziu o ser ao esforço, recompensando quem se esforçou para ascender. Com isto, ela alcançou o seu fim, que é a substituição da velha ordem por uma mais avançada.

Isto nos explica também como é lógico que, tendo assim subido um degrau, a vida tenda de momento ao repouso, necessário para preparar um novo impulso para frente. A cristalização final representa o término desse processo evolutivo, após o qual se iniciará um outro.

Continuar lendo “Os movimentos da vida”

A Luz não se contamina

ddi

A descida do ideal é uma dádiva do Alto, constituindo uma irradiação provinda de Deus, que se faz assim imanente mesmo nos mais baixos planos involutivos, a fim de salvar o ser, atraindo-o para si, impulsionando-o a evoluir em direção ao alto.

Mas este impulso, por si só, não basta, se ele não for secundado pela boa vontade e esforço do ser, cuja liberdade é respeitada, de modo que ele pode aderir ou não, ficando livre para tomar a decisão de evoluir.

O esforço para subir deve ser da criatura, porque, conforme determina a justiça, somente pode ser ganho o que tiver sido merecido.

Para poder transformar os demônios em anjos, os anjos devem misturar-se com eles, sem contudo deixarem de ser anjos.

Continuar lendo “A Luz não se contamina”

A evolução das religiões

ddi

A mente humana abandonou hoje a ideia do absoluto imóvel para colocar-se no relativo em movimento, porque se deu conta, por amadurecimento evolutivo, que esta é a realidade da vida. Este fato deslocou as velhas bases das religiões, fundadas em outros conceitos. Entretanto elas se mantêm com a velha forma mental, resistindo assim às novas tendências.

Não é fácil de mudar rapidamente, pois as ideias têm uma vontade própria, que, uma vez lançada numa direção determinada, tende a continuar nela por inércia. As mentes, para terem uma sensação de segurança e não se equivocarem na formação da própria conduta, têm necessidade de crer que alcançaram a última verdade, absoluta e imóvel, pois somente uma tal verdade parece capaz de garantir uma segurança na qual se confie totalmente.

Continuar lendo “A evolução das religiões”

O Ponto Ômega

ddi

Compreender finalmente, sem hipocrisias e ilusões, como a vida verdadeiramente funciona, significa não somente tentar inteligentemente não incorrer mais, por inconsciência, em muitos erros loucos, que depois é necessário pagar duramente, mas também realizar ao mesmo tempo uma purificação dos pecados herdados do passado e uma retificação psicológica, para não cometê-los mais no futuro.

Para isto, por exemplo, concorrerão, sem estarem mais separados como inimigos, o confessor de um lado e o psicanalista do outro, mas um confessor perito inclusive em psicanálise, que possua uma consciência ética da espiritualidade, da filosofia e das religiões, a fim de ser, além de médico da psique, também dirigente de consciências.

Continuar lendo “O Ponto Ômega”

Evangelho e a hipocrisia

ddi

É natural que o ideal, ao descer no ambiente terrestre, baseado na luta, seja entendido e utilizado em proveito do involuído que nele vive, ficando assim reduzido a uma mentira. Outra coisa não se lhe pode pedir.

Como se pode pretender que um tipo biológico AS se torne de repente um tipo S?

Como é possível que um tipo AS, que foi construído com a evolução terrestre e que ainda está situado ao nível da biologia animal, ponha-se a viver o Evangelho, se, por atávica experiência, profundamente impressa no seu ser, ele sabe que, desarmando-se como o Evangelho quer, fica vencido na luta e, por isso, deve morrer?

Continuar lendo “Evangelho e a hipocrisia”

A cosmogênese

ddi

A ciência é um esforço da inteligência para subir a Deus, mesmo quando O nega, pois, nesse momento, ela representa a tarefa de resolver os problemas e descobrir a verdade com seu próprio trabalho, por si mesma, em vez de aceitar tudo pela fé, gratuitamente, já resolvido, sem labor, abandonando-se passivamente nas mãos de um Deus que invocamos para nos socorrer.

A época da concepção estática do universo e da vida, que encorajava a nossa inércia mental, qualificando-a como virtude, está superada. Hoje, abre-se o caminho para a concepção dinâmica, pela qual percebemos que o paraíso não se conquista somente com a negação da vida terrena e com a renúncia, mas sobretudo pela afirmação de um modo positivo, trabalhando e conquistando no terreno do pensamento e do espírito.

Para compreender o homem, é necessário vê-lo como ele realmente é, em função das leis biológicas que regem o plano de evolução no qual ele se encontra situado, e não abstratamente, separado desta realidade em nome de princípios a ela estranhos.

Continuar lendo “A cosmogênese”

Ciência e Religião

ddi

Se tudo caminha, é porque tudo se dirige a uma meta que, com este movimento, deverá ser alcançada. Tudo tende a completar-se e aperfeiçoar-se, porque sobe de encontro a um centro, em direção ao qual tudo quanto existe se eleva, à medida que vai evoluindo.

Não se trata de um centro físico do universo, mas de um centro-síntese, no qual a pulverização fenomênica se coordena e se organiza, chegando assim, da dispersão periférica, a um estado unitário, orientado em direção àquele centro.

A evolução revela-se-nos como um fenômeno de síntese múltiplo, que realiza muitas coisas, levando à ascese, ao aperfeiçoamento e ao melhoramento, mas também alcançando a complexidade, a organicidade e a unificação.

O ponto de chegada é o Todo-Uno.

Continuar lendo “Ciência e Religião”

Ubaldi e Teilhard (2)

ddi

Os sofrimentos morais devido à dolorosa posição de incompreensão e condenação.

Teilhard foi mandado para Nova York, para lá morrer em condições de verdadeiro exílio, depois de uma vida cheia de amargura, devido à dificuldade cada vez maior de tornar conhecidos os seus escritos. O seu problema era de consciência, dizendo respeito a um cientista que, havendo descoberto a verdade, trata de levá-las para o terreno religioso, a fim de iluminar os crentes que, honestamente, desejam conhecer mais além da fé, para ficarem convencidos.

Continuar lendo “Ubaldi e Teilhard (2)”

Ubaldi e Teilhard (1)

ddi

Quando, na vida, encontramos um indivíduo que tem as nossas mesmas ideias e sentimentos e vemos que passou pelas mesmas vicissitudes que passamos, sentimo-nos irresistivelmente atraídos para ele, movidos pelo sentimento de simpatia fraterna. Por este motivo, falo de Teilhard de Chardin.

Os pontos de contato são três: 1) As teorias defendidas; 2) Os sofrimentos morais causados pela dolorosa posição de incompreensão e condenação por parte das autoridades religiosas; 3) A paixão pelo Cristo, concebido racionalmente como ponto de convergência da evolução da vida.

Continuar lendo “Ubaldi e Teilhard (1)”

O desenvolvimento mental

ddi

O mundo manifesta uma fase de superação quando é levado em direção a um desenvolvimento mental capaz de conduzi-lo à espiritualização no mais vasto sentido, porquanto qualquer capacidade de caráter mental representa sempre um valor superior à de tipo físico, guerreiro e material, ultrapassando aquele velho estilo ainda tão apreciado em nosso mundo. Também a ciência é conhecimento e, por isso, não pode deixar de conduzir à consciência e ao progresso em direção ao espírito. É para este tipo de progresso que se move a evolução.

A consequência será a formação de um novo biótipo, espiritualizado no mais vasto sentido, fruto destas novas condições de existência. É assim que do involuído poderá nascer o evoluído, do animal humano do passado poderá nascer o verdadeiro homem.

Continuar lendo “O desenvolvimento mental”