A Ética Preventiva

queda-e-salva_ao-80_

Uma das características da ética deveria ser preventiva e não repressiva. É inútil chegar depois que o mal foi feito. Uma ética eficiente previne e evita o mal, impede que ele se realize, mais do que reprimi-lo depois com a punição. É o que acontece no S, onde a Lei estabelece qual tem de ser a ordem, os seres compreendendo e obedecendo, e o mal não se verificando. Estamos no terreno da positividade, onde não há lugar para nenhuma forma de negatividade: o mal e a sua punição e repressão. Aqui tudo está previsto e prevenido e naquela ordem a desordem não pode nascer.

Nós existimos nos antípodas, no AS, onde prevalecem princípios opostos. A mesma Lei de Deus irradia do S para o AS, aqui também presente, impulsionando para a sua ordem, mas o biótipo que aqui mora é um rebelde, que quer impor a sua vontade contra a da Lei e, apesar de ser à sua custa, pode fazê-lo, porque ele é livre. Estamos aqui no terreno da revolta, da desordem e da luta. Só o fato de que este é o tipo de ética vigorante em nosso mundo, constituiria uma prova bastante para demonstrar a teoria da queda.

Nós explicamos assim, porque a nossa ética não é filha da compreensão que espontaneamente evita o mal, mas é filha da luta; em vez de ser uma ética positiva, altruísta e educativa, cujo objetivo é realizar o bem, é uma ética negativa, egoísta e defensiva contra o prejuízo do grupo.

Vemos aqui revelarem-se os dois métodos opostos: o do S e o do AS. A nossa ética é também educativa mas na forma emborcada que revela a posição do rebelde do AS, isto é, educativa não a priori, mas a posteriori, deixa o mal acontecer e depois intervém para corrigi-lo. Em outras palavras: para respeitar a liberdade de um ser rebelde, lhe é permitido errar e depois endireitar o erro por intermédio da dor. E é lógico que no mundo do AS, emborcado na negatividade, não haja outro caminho para chegar ao bem, a não ser o da dura lição de sofrimento.

Os seres do S ficaram inteligentes como Deus os criou compreendem que é a sua vantagem permanecer na ordem em obediência à Lei. Os seres do AS com a queda se tornaram ignorantes, o que lhes deixa acreditar que é vantagem existir em posição emborcada na desordem do caos. Mas a Lei continua firme em sua vontade de ensinar, o que neste caso é ainda mais urgente porque se trata da salvação de criaturas extraviadas.

Como é possível ensinar a seres ignorantes, incapazes por isso de compreender onde está a sua vantagem e o seu bem? Como é possível ensinar-lhes senão por intermédio do sofrimento? É a única coisa que conseguem entender, porque aparece depois do erro, como sua consequência, para ensinar a não cometê-lo mais.

Eis a razão pela qual a ética humana é ética a posteriori e não a priori, como a lógica exigiria. Mas tratando-se de um S emborcado no AS, é lógico também que no AS vigore uma lógica emborcada no absurdo. Dada a sua posição o biótipo comum não pode aprender a regra certa da vida, senão pelo caminho do sofrimento. E é o que de fato acontece. Na lógica emborcada do AS, este absurdo é perfeitamente lógico. Explica-se assim a técnica da tentativa, vigorante em nosso mundo; técnica de cegos ignorantes.

A automática condenação para os cidadãos do AS está no fato de que eles não podem chegar à positividade a não ser pelo caminho de negatividade, isto é, à felicidade, senão pelo caminho do sofrimento. Assim o homem tem de aprender à força a ética da sua salvação, constrangido pela dor a seguir a vereda que o leva para a felicidade, que ao mesmo tempo representa o seu maior desejo. Eis em que estranho jogo de absurdos se emborca a lógica do S quando o ser cai de cabeça para baixo no AS, constrangido à força a atingir a realização do seu maior anseio: a felicidade, que o ser vai invocando e procurando desesperadamente, mas que a cegueira em que ele decaiu lhe impede de ver onde o seu alvo está situado!

Tudo é absurdo enquanto o ser usa a psicologia do AS, mas volta a ser lógico, tão logo seja visto e julgado com a psicologia do S. E de fato a dor corrige o erro, ensina e ilumina a consciência, destrói a ignorância e reconstrói a sabedoria, reabsorve a negatividade do AS e reconstitui a positividade do S. Eis a razão profunda dessa estrutura e técnica, a do erro e sofrimento, com a qual a Lei se realiza em nosso mundo; eis a lógica fatal dessa ética a posteriori, corretiva e não preventiva, como a vigorante em nosso mundo.

Tudo o que existe na Terra assume as qualidades do AS. É por isso que aqui vigora não uma ética interior, mas exterior, não de dentro para fora, porque o ponto de partida é o espírito do S, mas de fora para dentro, porque o ponto de partida é a matéria do AS. Não uma ética de substância, mas de forma, não regra de pensamento, mas de atos, não uma ética baseada nos princípios gerais que orientam nas grandes linhas, respeitando a liberdade de quem compreende, mas uma ética apoiada sobre particularidades materiais, amarrada aos pormenores farisaicos, constrangendo quem não merece liberdade, porque não sabe e não quer compreender.

O deslocamento do S para o AS tudo transformou.

Eis então que, enquanto no S, porque o ser é obediente, tudo é livre e espontâneo, no AS, porque o ser rebelde, tudo é constrangimento à obediência. Isto é o que a criatura gerou com a sua revolta. A Lei ficou inatingível, acima de toda revolta e o ser rebelde ficou preso dentro dela, nem pode fugir. Logo que ele se arrisca a fazê-lo, a tentativa gera a dor que o paralisa. Quanto mais ele procurar rebelar-se, tanto mais a dor o aperta, até que ele tem de desistir.

De fato quem vai chocar-se com as reações da Lei? São os indisciplinados. Para os que obedecem e a seguem ordenadamente, a Lei não reage. Ela então fala somente da bondade de Deus. Para quem quer ficar dentro da ordem, tudo corre bem. São os desordenados que recebem de volta o choque que eles pretendiam lançar contra a ordem. A Lei não agride a ninguém, mas quer ficar íntegra, de pé, e responde com a mesma agressividade, de quando a sua ordem for agredida por uma vontade de desordem.

Livro: Queda e Salvação

http://www.ebookespirita.org/PietroUbaldi/QuedaeSalvacao.pdf

Faça seu comentário e participe de nosso grupo de estudos

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s