Princípio de Identidade

CAPA-CIENCIA-E-REDENCAO

A quarta grande Lei, Lei de Reprodução, tem como ação basilar o princípio de identidade. Segundo esse artigo da Lei, por subsídio do verdadeiro amor, a mais perfeita semelhança deve imperar entre o Criador e o produto de Seu ato, a Criação. Fundamento de identidade, ou de herança, esse artigo da Lei sela a igualdade entre Pai e Filho. Por isso, com efeito, o Filho foi criado “à imagem e semelhança do Pai”, como nos afirma o Texto Sagrado.

Assim, na Criação, cada entidade menor copia exatamente a entidade maior, repetindo seus princípios e Leis. Do maior ao menor, do geral ao particular, todos repetem, inexoravelmente, por princípio de reprodução e de identidade, o conjunto de atributos do Todo. E assim, como um inevitável eco, o princípio de identidade ressoa por toda a infinita extensão da Criação conferindo, mais uma vez, a tudo o que existe a unidade por semelhança de fundamentos.

Entrementes, observando-nos, percebemos que em nada nos parecemos mais ao Divino. Deus não é um homem elevado ao gigantismo como supôs a acanhada mentalidade religiosa do passado. Hoje sabemos que o espírito, ao se contrair pela queda, inverteu seus atributos primordiais. O que lhe era antes manifestação exterior, a substância em imanência pura, ocultou-se em seu interior; e a matéria, que existia como nulidade interna e mera possibilidade de manifestação, avolumou-se como sua extrínseca figuração. Tal inversão do espírito o fez distanciar-se por completo da identidade divina de origem, de tal forma que hoje não nos assemelhamos mais, em absoluto, a verdadeiros deuses, atribuição que, na realidade, não perdemos. Tornamo-nos sombras do Altíssimo, deuses degenerados na matéria. Por isso nos custa agora acreditar em nossa potestade, como nos garantiu o Cristo. E o homem preferiu aviltar a figura do Criador, reduzindo-O a uma aparência antropomórfica, a acreditar que ele próprio é que se fantasiara com o patético talhe físico que agora veste, desfazendo-se-lhe a original conformidade com seu Pai.

O princípio de identidade, fulcro genético do cosmo, no entanto, não pôde ser desobedecido. Em nosso mundo, sua expressão máxima pode ser observada no determinismo genético, a perfazer os fundamentos naturais da hereditariedade biológica. Em todas as instâncias da vida, a reprodução convoca a paternidade a transmigrar à descendência as próprias características e potencialidades, conferindo-lhe o inverossímil critério de semelhança, por princípio de Lei.

E pelos alicerces da reprodução mediante identidade, o filho transforma-se, por sua vez, em outro pai, que irá gerar de si nova descendência que tornará a copiar a si mesmo. Assim, a grande Criação se fraciona nos Filhos, dos primeiros aos últimos, dos últimos aos primeiros. O Criador dá-se à Criatura. E a Criatura copia, em semelhança, o Criador. A Divindade se repete dos maiores aos menores, proporcionando a todos indubitável critério de igualdade. E Todos, imantados pelo impreterível princípio do amor, permanecem unidos, mantendo-se íntegra a Unidade essencial da Criação. Eis a sublime sinfonia da Lei a ecoar pelos proscênios do Infinito os maviosos acordes divinos, em doce e sublime execução, envolvendo em suas harmonias os incontáveis filhos, ainda que parte deles se recuse a ouvi-la.

Já compreendemos que a basilar negação do princípio do amor, que caracteriza nosso mundo, fendeu a Grande Unicidade da Lei, fracionando-a na pulverização fenomênica, e consequente desunião de todos os seus elementos. Degenerados, os filhos da Criação, nascidos do amor divino, já não se reconhecem mais como irmãos.

Mútuo repúdio impõe-lhes a luta de todos contra todos. O império do egoísmo se instala pela eleição do desamor como primaz orientação de seus sentimentos e atos, gerando antagonismo, embates, fragmentação, caos, dor e morte. E passaram a viver num universo em conflito, caracterizado como o próprio inferno do espírito que caiu.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s