O Sistema Filosófico (1)

queda-e-salva_ao-80_

Que nos diz esse sistema filosófico e o conteúdo da visão que ele nos oferece?

O plano é estritamente monista, embora contendo o dualismo. O conceito central, que tudo rege em unidade, é Deus. Ele, na Sua essência, está no absoluto e não pode ser definido, isto é, limitado no relativo, onde está a criatura. Veremos como esse relativo nasceu. Estes são os dois polos opostos da mesma unidade.

Deus simplesmente é. Ele é tudo.

Deus significa existir. Ele é a essência da vida. Tudo o que existe é vida, isto é, Deus. E Deus é tudo o que existe, que é vida.

Deus é o “ser”, acima de todos os atributos e limites.

O nada significa o que não existe, a ausência de Deus, ausência que não pode existir. O nada, portanto representando a plenitude da negação, ou da ausência de Deus, isto é, do não ser, como verdadeira realidade não pode existir por si mesmo, mas só como função oposta à positividade, como segundo polo da mesma unidade. Eis como o dualismo fica fechado dentro do monismo e não destrói, mas confirma e fortalece a unidade do todo.

Este Tudo-Uno-Deus abrange tudo. Nada há fora Dele. Ele é:

1) Uma inteligência que tudo dirige,

2) Uma vontade que se quer realizar,

3) Uma forma gerada como a inteligência a pensou e como a vontade a quis realizar.

Eis a Trindade da mesma unidade de Deus, nos Seus três momentos, do mesmo Tudo-Uno-Deus. Eles são: 1) Espírito (concepção), 2) Pai (Verbo ou ação), 3) Filho (o ser criado).

Que existe uma inteligência, chama-se Deus ou como se quiser chamá-la, dirigindo todos os fenômenos, enclausurando-os dentro de leis exatas, e que os orienta para um dado telefinalismo, conclusivo de todo o transformismo, não há dúvida. Como não há dúvida também que essa inteligência possui uma vontade que de fato realiza em formas definidas o seu pensamento.

Por esse processo Deus gerou a primeira criação. Ele tirou da Sua própria substância as individuações de tudo o que existe. Ele as tirou de Si, porque nada pode existir fora e além de Deus, que é Tudo. Ficaram em Deus, porque nada pode sair do Todo. Disto se segue:

1) Que todas as criaturas são feitas da substância de Deus.

2) Que, pelo fato de não terem saído de Deus, elas existem em Deus, porque a criação não podia ser exterior, mas somente interior a Deus.

A primeira criação de Deus originou-se, então, do resultado de três momentos:

1) o pensamento,

2) a ação,

3) o instante em que a ideia, por meio da ação, atingiu a sua realização. Aqui temos a obra terminada, na qual a ação gerou a expressão final da ideia originária do primeiro momento.

Tudo assim continuou existindo em Deus, como antes da criação, mas agora de maneira diferente, não mais como um todo homogêneo, indiferenciado, mas como um sistema orgânico de elementos ou criaturas, sistema cujo centro é Deus, regido pelo pensamento Dele, que constitui a regra da existência de todos os seres, que tudo dirige e que chamamos “Lei”.

Nas aproximações que conseguimos alcançar em nossa representação humana da ideia de Deus, colocamos o conceito de perfeição. A lógica das coisas impõe conceber um Deus perfeito e, por conseguinte, perfeita a obra Dele.

Ora, o nosso universo representa, porventura, uma obra perfeita?

Nele existem a desordem, a ignorância, o erro, o mal, a dor, a morte; essas coisas parecem mais com o resultado dum emborcamento de Sua obra.

Se temos de admitir que a obra de Deus deve ser um Sistema perfeito, vemos de outro lado que o nosso universo está colocado nos antípodas da perfeição, possuindo qualidades opostas.

Se o Sistema de Deus representa a positividade, em nosso universo nos encontramos, pelo contrário, num Anti-Sistema, que representa a negatividade.

Temos, então, dois termos opostos: O Sistema, de sinal positivo, cujo centro é Deus; e O Anti-Sistema, de sinal negativo, cujo centro é Satanás, o Anti-Deus. Ora, como nasceu o Anti-Sistema, que impulso o gerou?

No todo não existia senão Deus e Nele todas as criaturas. Tudo isto representava o estado perfeito do Sistema, no fim da primeira criação, obra direta de Deus. Ora, se é absurdo que a perfeição de Deus possa ter gerado o Anti-Sistema que tem as qualidades opostas, porque de Deus, que é perfeito, não pode sair o imperfeito, para justificar pois, o fato positivo, inegável, da presença do Anti-Sistema, não temos outra escolha a não ser atribuí-lo à única outra fonte que existia no Sistema, isto é, à criatura.

Tudo se pode explicar admitindo apenas ter acontecido uma mudança na primeira criação, mudança devida a esse outro impulso que existia no Sistema, o único ao qual, não sendo ele de Deus, é possível atribuir a causa dum outro sistema diferente, isto é, imperfeito.

Tudo isto nos aparece verdadeiro, porque está confirmado que a imperfeição que encontramos em nosso universo representa o emborcamento exato da perfeição do Sistema e das suas qualidades positivas, agora levadas para o negativo.

Em relação à primeira criação, estamos no seu polo oposto, o que nos indica que não se trata duma criação nova, realizada com princípios novos, mas só duma cópia emborcada e corrompida da primeira.

Eis então que aparece, racionalmente justificável, a teoria da desobediência das criaturas à Lei de Deus, a teoria da revolta e da queda, que o homem já conhece por intuição, e que a revelação das religiões desde a mais remota antiguidade afirmou.

Livro: Queda e Salvação

http://www.ebookespirita.org/PietroUbaldi/QuedaeSalvacao.pdf

Faça seu comentário e participe de nosso grupo de estudos

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s