Teoria da queda e suas provas (8)

du

No sistema, o princípio do mal e da dor, que se faz sentir em tudo, é utilizado como uma dificuldade a superar, como uma escola para aprender e ascender.

A realidade é que, embora Satanás e seu poder pareçam espantosos, o nosso universo está inteiramente impregnado da presença de Deus imanente, de modo que a vitória está garantida e as portas infernais não prevalecerão.

Todo o grande assalto de Satanás se reduz a um exame das forças do bem, a um sangrento banho de purificação, do qual o espírito sairá triunfante.

Desta forma, encontramos não somente uma justificação para o mal e a dor, mas também o segredo para demoli-los, transformando uma infelicidade em um meio para conquistar a felicidade.

Assim, o tremendo princípio do anti-bem e do anti-Deus se pulveriza em nossas mãos, e, se formos sábios, dele nada resta em meio a tanta ruína, senão um instrumento de salvação.

Nós nos perguntamos se será possível uma revolta eterna e definitiva?

Agora podemos compreender o que significa essa indagação, isto é, a possibilidade da personalidade macular-se até que o percentual dos elementos componentes positivos seja reduzido a zero e o percentual dos elementos componentes negativos seja elevado a cem.

Quando o  “eu” fica assim reduzido, em sentido negativo, ele se anula (=0), isto é, se autodestrói.

Quando, ao contrário, o “eu” se refez todo em sentido positivo, ele atingiu a salvação.

No primeiro caso, ocorreu a morte total pela completa negação de Deus; no segundo caso, foi alcançada a vida total em Deus.

De tudo isso encontramos um paralelo na vida de nosso organismo, o que é lógico num universo dirigido por um princípio unitário.

Antes de tudo, a difusa presença do espírito satânico do mal não nos deve espantar mais do que a presença dos micróbios patogênicos em nosso organismo. Quando ele está são, os micróbios não perturbam, mas quando as portas estão abertas, eles penetram o organismo no seu ponto vulnerável, porque débil. Também Satanás só pode entrar quando encontra uma porta aberta no espírito, isto é, um ponto vulnerável, porque débil. Se formos sãos e fortes no campo orgânico e no moral, podemos mover-nos sem perigo entre os micróbios patogênicos e as forças do mal.

Em qualquer setor, a vida nos quer sãos e fortes, para que a evolução prossiga, seguindo a Lei, que quer o ser caminhando para a perfeição e a felicidade.

Quem deve, paga, sendo o ser colocado pela dor no caminho reto, o de sua salvação.

Tanto no terreno orgânico como no espiritual, a Lei acorre para salvar, impelindo com as suas reações dolorosas o indivíduo a salvar-se.

A Lei se vale, indiretamente, de todas as constrições compatíveis com o respeito à liberdade individual. Mas quando, apesar de tudo, o doente, seja do corpo ou do espírito, não quer de forma alguma salvar-se – desejando assim fixar em sua personalidade uma permanente violação da Lei, que é inviolável – então ele é por ela eliminado.

Em outros termos, a vida mata os que se voltam contra ela.

Livro: Deus e Universo

http://www.ebookespirita.org/PietroUbaldi/DeuseUniverso.pdf

Faça seu comentário e participe de nosso grupo de estudos.

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s