O sistema do Evangelho

ld

O sistema do Evangelho funciona a longo prazo por ser de longo alcance.

O sistema do mundo, pelo contrário, funciona a curto prazo e é de curto alcance, pois tratando-se de um plano de vida menos evoluída, tudo nele é mais limitado no tempo e no espaço, onde o homem tem pressa de algo realizar, porque seu mundo é o caos, e no reino desorganizado da desordem nada de duradouro se pode construir, só há luta sem certeza alguma do amanhã.

Esse homem está fechado na sua psicologia de nível sensório e por isso cheia de ilusões e não possui a inteligência de nível especulativo, que possa orientá-lo com o conhecimento das causas primeiras e do funcionamento orgânico do todo.

Nas mãos do homem comum, o método do Evangelho não funciona, porque ele não sabe fazê-lo funcionar.

Para que, em relação a nós, possa funcionar a Lei da justiça, é preciso antes de tudo nos coloquemos dentro da justiça desta Lei e não fora dela. Isso quer dizer: com nossa inocência merecemos a defesa da Lei, mas com nossa culpabilidade merecemos que a Lei nos golpeie.

Para poder reclamar justiça é indispensável viver no terreno da justiça.

A Lei não pode funcionar em favor da injustiça.

Para a Lei funcionar a nosso favor é necessário que sejamos inocentes, e que não tenhamos dívidas a pagar. Mas, quem no mundo se encontra nestas condições?

É por isso que o método da não-resistência do Evangelho na Terra é julgado utopia absurda.

Muitas vezes, reagimos contra o ofensor e nos alegramos quando chega sua punição por tê-lo merecido, advinda da própria Lei, que é justa; nesse momento em que estamos pedindo justiça, estamos, na verdade, praticando injustiça, e com isso merecendo punição da própria Lei.

Como podemos exigir que os outros nos paguem suas dívidas, quando nós ainda não lhes pagamos as nossas?

Para que possa funcionar o método da não-resistência é necessário primeiramente termos pago à justiça da Lei todas as injustiças que antes praticamos contra o próximo.

Ao recebermos uma ofensa, em vez de nos dirigirmos ao ofensor, deveríamos falar com Deus e com nós mesmos, para saber onde está a verdadeira causa da ofensa: se ela se encontra dentro de nós, em lugar de se encontrar nos outros.

No método da não-resistência o problema está equacionado de uma forma completamente diferente da do mundo; em geral cada um prefere atirar a culpa sobre os outros ao invés de reconhecer-se culpado.

Num sistema de justiça tal como é o da Lei, se esta nos golpeia, como se pode admitir que a culpa seja dos outros?

Só ao mundo pertence o erro de enredar-se no sistema desequilibrado de reações e injustiças recíprocas, num encadeamento sem fim, porque não se pode reequilibrar o desequilíbrio acrescentando novos desequilíbrios. E ao equilíbrio não se pode chegar a não ser pelos caminhos reequilibrantes da não-resistência.

Estamos reclamando justiça e não compreendemos que estamos recebendo justiça, mas na forma de sofrimento, porque a justiça pedida, muitas vezes, não é senão injustiça, isto é, justiça às avessas.

Tal justiça só podemos receber em forma de sofrimento.

A Lei quer nosso bem e não se pode chegar a ele acrescentando ao mal novo mal.

A grande loucura do mundo é querer chegar à justiça pelos caminhos da injustiça.

A justiça tem de ser absoluta e imparcial, e não consistir numa série de justiças relativas e partidárias, em função de interesses dos que as praticam.

A Lei não pode estar sujeita aos egocentrismos individuais ou de grupo. Ela está acima de tudo isso, acima das nossas concepções e lutas.

Livro: A Lei de Deus

http://www.ebookespirita.org/PietroUbaldi/ALeideDeus.pdf

Faça seu comentário e participe de nosso grupo de estudos.

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s